Adaptámos os nossos processos de limpeza e desinfeção de acordo com o selo Clean&Safe do Turismo de Portugal, para continuarmos a proporcionar experiências únicas aos nossos hóspedes, com segurança e confiança.

1. ENQUADRAMENTO

COVID-19 é o nome, atribuído pela Organização Mundial da Saúde, à doença provocada pelo novo coronavírus SARS-COV-2, que pode causar infeção respiratória grave. 

Os coronavírus são um grupo de vírus que podem causar infeções nas pessoas. Normalmente estas infeções estão associadas ao sistema respiratório, podendo ser parecidas a uma gripe comum ou evoluir para uma doença mais grave, como pneumonia. Os sintomas mais frequentes associados à infeção pelo COVID-19 são:

  • febre (temperatura ≥ 38.0ºC)
  • tosse
  • dificuldade respiratória (ex: falta de ar)

Também pode surgir dor de garganta, corrimento nasal, dores de cabeça e/ou musculares e cansaço. Em casos mais graves, pode levar a pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos, e eventual morte.

Em tempos de pandemia surgem mudanças em massa nos comportamentos. É imperativo que as organizações repensem os seus modelos de atuação e implementem alterações que restabeleçam ou promovam a confiança dos seus clientes.

 

2. OBJETIVOS

A be@home compromete-se a minimizar os riscos de propagação da COVID-19, implementando procedimentos internos de acordo com as orientações das Autoridades de Saúde, Direção Geral de Saúde (DGS) e Organização Mundial de Saúde (OMS). 

A elaboração deste manual pretende estimular a adesão às melhores práticas de higienização dos espaços e superfícies, no sentido de minimizar as cadeias de transmissão do vírus. Desta forma garantirmos uma atuação segura e de confiança a todos os intervenientes nos nossos alojamentos, quer sejam clientes, colaboradores ou parceiros.

 

3. PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO

3.1 NAS INSTALAÇÕES DO ALOJAMENTO LOCAL

3.1.1 Sinalização e Informação

Está afixada sinalética com indicações de proteção individual geral. O Protocolo Interno relativo ao surto COVID-19 está disponível para consulta no website da be@home em www.beathome.pt, assim como na Área do Hóspede

Estão também afixados cartazes com informação sobre medidas básicas de prevenção e controlo da infeção relativamente ao surto (higienização das mãos; etiqueta respiratória; conduta social) 

3.1.2 Plano de Higienização

A be@home tem disponível um plano de higienização, visando a intensificação e cuidado dos atos de limpeza das unidades de alojamento que gere. A frequência da limpeza e desinfeção é feita de acordo com volume de utilizações/reservas registadas e inclui:

  • Lavagem e desinfeção, de acordo com o presente protocolo interno, das superfícies onde clientes e colaboradores circulam, garantindo o controlo e a prevenção de infeções.
  • Limpeza e desinfeção das superfícies e objetos de utilização frequente (incluindo bancadas, interruptores de luz, maçanetas, puxadores de armários e comandos de TV).
  • É dada preferência à limpeza húmida, em detrimento da limpeza a seco e do uso de aspirador de pó.
  • Renovação de ar é assegurada através da abertura de portas e janelas em detrimento da utilização de ares condicionadas, especialmente durante e após os procedimentos de higienização.
  • A lavagem do chão deve ser realizada com água quente e detergente comum, seguido da desinfeção com solução de lixívia diluída em água. 
  • Lavagem das instalações sanitárias, deve ser realizada, preferencialmente, com produto que contenha na composição detergente e desinfetante porque é de mais fácil aplicação e desinfeção. 
  • Registo obrigatório das limpezas e higienizações é feito em plataforma digital, na qual é indicado: alojamento, data, hora e tipologia do serviço, identificação do responsável e observações adicionais.

3.1.3 Adequação do espaço selecionado para isolamento 

Os nossos alojamentos possuem local para isolar pessoas que possam ser detetadas como casos suspeitos ou confirmados de COVID-19 de acordo com as normas em vigor:  

  • espaço arejado com ventilação preferencialmente natural,
  • possuir revestimentos lisos e laváveis, casa de banho, stock de materiais de limpeza, 
  • Kit de proteção individual (máscaras cirúrgicas, luvas descartáveis, termómetro), 
  • contentor de resíduos autónomo, sacos de resíduos, sacos de recolha de roupa usada,
  • Kit com água e alguns alimentos não perecíveis. 

3.1.4 Adequação das unidades de alojamento

A limpeza dos alojamentos é feita após o check-out ou durante a estadia e a pedido do cliente. Neste caso o agendamento deverá ser feito previamente e no qual o cliente se compromete a não estar presente no alojamento durante a presença da equipa de limpeza.

  • São realizados cuidados específicos para troca da roupa de cama e limpeza nos quartos, privilegiando dois tempos de intervenção espaçados e com proteção adequada conforme Protocolo Interno e Plano de Higienização e Desinfeção Interno (PHD).
  • A remoção da roupa de cama e atoalhados é feita sem a agitar ou sacudir, enrolando-a no sentido de fora para dentro, sem encostar ao corpo, acondicionada num saco fechado para ser transportada para a lavandaria.
  • A lavagem da roupa de cama/atoalhados é feita em separado à máquina e a temperaturas elevadas (cerca de 60ºC).

3.1.5 Equipamentos de higienização

Nos alojamentos são sempre disponibilizados:

  • Dispensadores de solução antissética de base alcoólica ou solução à base de álcool junto aos pontos de entrada/saída do alojamento.
  • Sabão líquido para lavagem de mãos, em todas as instalações sanitárias.

 

3.2 PARA OS COLABORADORES

3.2.1 Formação 

Todos os Colaboradores receberam formação e foi-lhes disponibilizada informação específica sobre:

  • Protocolo interno relativo ao surto de coronavírus COVID-19.
  • Como cumprir as precauções básicas de prevenção e controlo de infeção relativamente ao surto de coronavírus COVID-19, incluindo os procedimentos:

o   higienização das mãos: lavar as mãos frequentemente com água e sabão, durante pelo menos 20 segundos ou usar desinfetante para as mãos que tenha pelo menos 70º de álcool, cobrindo todas as superfícies das mãos e esfregando-as até ficarem secas.

o   etiqueta respiratória: tossir ou espirrar para o antebraço fletido ou usar lenço de papel, que depois deve ser imediatamente deitado ao lixo; higienizar as mãos sempre após tossir ou espirrar e depois de se assoar; evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos.

o   conduta social: alterar a frequência e a forma de contacto entre os trabalhadores e entre estes e os clientes, evitando (quando possível) o contacto próximo, apertos de mão, beijos, postos de trabalho partilhados, reuniões presenciais e partilha de comida, utensílios, copos e toalhas.

  • Auto monitorização diária para avaliação da febre, verificação de tosse ou dificuldade em respirar.
  • Cumprir as orientações da Direção-Geral da Saúde para limpeza de superfícies e tratamento de roupa nos estabelecimentos.

3.2.2 Equipamento Proteção Individual (EPI’s)

Todos os colaboradores e profissionais ao serviço da be@home devem usar (consoante a sua função): 

  • Máscara
  • Luvas
  • Bata ou avental

A farda dos colaboradores deve ser lavada à máquina e a temperaturas elevadas (cerca de 60ºC). 

3.2.3 Designação dos responsáveis

Contactos a acionar em caso de suspeita de infeção durante a estadia no alojamento: 

  • Welcome Manager (WCM) responsável pelo Check-in
  • SAÚDE 24: 808 24 24 24 
  • INEM: 112

3.2.4 Conduta 

As medidas básicas de prevenção e controlo da infeção por parte dos colaboradores e parceiros da be@home passam por: 

  • Aplicar todas medidas básicas de prevenção e controlo da infeção (higienização das mãos; etiqueta respiratória; conduta social).
  • Auto monitorização diária para avaliação da febre, existência de tosse ou dificuldade em respirar.
  • Manter a distância entre colaboradores e clientes e evitar contactos físicos, incluindo os apertos de mão.
  • Os profissionais de limpeza devem conhecer bem os produtos a utilizar (detergentes e desinfetantes), as precauções a ter com o seu manuseamento, diluição e aplicação em condições de segurança, como se proteger durante os procedimentos de limpeza dos espaços e como garantir uma boa ventilação dos mesmos durante a limpeza e desinfeção.

3.2.5 Stock de materiais de limpeza e higienização

O alojamento possui stock de materiais de limpeza que inclui: 

  • Desinfetante de mãos, Lixívia, Álcool a 70º, Luvas descartáveis, Sacos plásticos, Panos de limpeza microfibras multicores, Baldes e Esfregonas
  • Dispensadores ou recargas de solução antissética de base alcoólica ou solução à base de álcool.
  • Contentor de resíduos com abertura não manual e saco plástico.
  • Equipamento ou recargas para lavagem de mãos com sabão líquido.

 

3.3 PARA OS CLIENTES

3.3.1 Equipamento Proteção individual

Aos clientes que o solicitarem, serão disponibilizados Kits de proteção individual (máscaras e luvas descartáveis), pelo valor indicado na Área do Hóspede.   

3.3.2 Conduta

As medidas de prevenção e controlo da infeção por parte dos nossos clientes passam por: 

  • Ter conhecimento do Protocolo Interno relativo ao surto de coronavírus COVID-19.
  • Cumprir as precauções básicas de prevenção e controlo de infeção nomeadamente a higienização frequente das mãos, respeitar a etiqueta respiratória e conduta social.
  • Auto monitorização diária para avaliação da febre, verificação de tosse ou dificuldade em respirar.

 

4. PROCEDIMENTOS EM CASO DE SUSPEITA DE INFEÇÃO 

4.1 PLANO DE ATUAÇÃO

O Welcome Manager (WCM) responsável pelo Check-in é responsável por indicar à pessoa com sintomas o espaço de isolamento, prestar a assistência necessária, assegurar o cumprimento dos protocolos de prevenção e atuação COVID- 19 e articular os contactos necessários com as autoridades responsáveis e de socorro e reportar às chefias. 

4.2 DESCONTAMINAÇÃO DO LOCAL DE ISOLAMENTO

Com a confirmação de caso de infeção, é necessário reforçar a limpeza e desinfeção das superfícies, objetos e toda a área de isolamento bem como nas restantes áreas do alojamento, em especial nas superfícies frequentemente manuseadas e mais utilizadas, conforme indicações da Direção-Geral da Saúde. 

Os resíduos produzidos pelos doentes suspeitos de infeção deverão ser colocados num saco de plástico que, após fechado (ex. com abraçadeira) deve ser segregado e enviado para operador licenciado para a gestão de resíduos hospitalares com risco biológico. Sempre que necessário, é consultado o SILOGR (Sistema de Informação de Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos.

 

5. REGISTO DE ATOS/INCIDENTES

Nos serviços administrativos está disponível um “Registo de Incidentes” que será preenchido sempre que houver um caso suspeito, confirmado ou outra qualquer situação relacionada com o surto COVID-19 e onde constam os seguintes dados:

  • Alojamento
  • Data da Ocorrência
  • Descrição da Ocorrência
  • Atuação
  • Obs.